Desfrute da Passagem de Ano com organização e tranquilidade!

Se antigamente, as famílias reuniam-se na mesma casa, quer na consoada, quer no dia de Natal, quer na Passagem de Ano, quer no 1º dia do ano, hoje em dia já não é bem assim. Muitas vezes é preciso, durante este curto espaço de tempo, estar presente em 3 ou até mesmo 4 locais diferentes. Assim, esta época é também uma altura de organização e de viagens. Siga estas dicas se não quer ficar – ou deixar algum elemento da sua família – “Sozinho em Casa”, desta vez na Passagem de Ano, como no filme que se tornou um marco desta altura:

– Comece por planear o trajeto, ou seja onde vai jantar, onde vai passar a meia-noite e onde irá no dia seguinte. Vai ser impossível agradar todos, mentalize-se disso;

– Averigúe quem vai estar presente em cada local para não deixar ninguém sem presente, se não entregou no Natal, ainda vai a tempo, a Passagem de Ano também é  uma boa altura para presentear quem mais ama.

– É simpático levar uma entrada, sobremesa, vinho, champanhe,… Pergunte o que pode fazer falta em cada uma das casas, mas tente não dispersar esforços e fazer um prato ou doce semelhante para cada paragem. Inteire-se também se vão comprar tudo e dividir por todos ou como estão a planear fazer.

– Se sabe que em alguma das casas não haverá mais crianças para os seus filhos brincarem, deixe-os levar um brinquedo para que não acabem por ficar chateados por não terem o que fazer. Leve também uma muda de roupa, o ursinho de peluche favorito deles e tudo o que achar necessário para o caso de terem sono, acontecer algum imprevisto,…

– Se, por outro lado, sabe que os seus filhos nunca querem ir embora, crie um jogo que os faça colaborar e cumprir com os horários mais facilmente. Utilize pequenas recompensas para cada objetivo.

– Separe em sacos grandes os presentes, comidas e bebidas que são para cada paragem (ex. jantar em casa dos sogros, meia-noite em casa da mãe, almoço em casa do pai, tarde em casa dos avós) para ter tudo organizado e ser mais fácil, em vez de andar à procura na mala do carro do que tem que levar para onde.

– Contudo, mesmo quando os planos são feitos cuidadosamente podem sempre surgir alguns contratempos ou imprevistos. Por isso, o mais importante é entrar no espírito festivo e desfrutar dos momentos passados em família, com flexibilidade.

Siga estas dicas para a Passagem de Ano, que já está quase a chegar, e tenha-as em mente também para o próximo Natal, ou para qualquer outra ocasião festiva que englobe várias pessoas. Desfrute ao máximo de cada momento e… Feliz Ano Novo!

bur4

Anúncios

A Mala de… Ana Gomes!

Entrevistar a Ana Gomes é entrevistar também a Barbie. Isto porque, como todos sabemos, ela é A Melhor Amiga de uma das bonecas mais conhecidas do mundo. Viajam há vários anos juntas e a cada viagem a Ana trás uma Barbie nova.

Vamos espreitar a mala da autora do blog A Melhor Amiga da Barbie?…

Samsonite – No momento de fazer a mala, consegue ser ponderada e escolher apenas o indispensável ou nunca há espaço suficiente?

Ana Gomes – Comecei a tentar ser cada vez mais racional a fazer as malas, e, confesso que numa primeira fase, consigo colocar apenas o indispensável e fica tudo direitinho. O problema é quando os “e se…” começam a surgir e percebo que é melhor prevenir e levar mais umas coisinhas. Aí sim, nunca há espaço suficiente.

Samsonite – Como seria a mala perfeita d´A Melhor Amiga da Barbie?

A. G. – Teria de ser super leve, para não ser um peso extra, fácil de transportar e com muito espaço. Ainda que com a possibilidade de ter vários compartimentos para separar algumas peças.

Samsonite – E qual o objeto que nunca pode ficar de fora?

A.G. – Tendo em conta que e o telemóvel viaja comigo, talvez um casaco confortável, daqueles que nos fazem sentir em casa, estejamos nós onde estivermos.

Samsonite – Que recordações guarda com mais carinho das viagens que já fez?

A.G. – Conhecer parte da minha família que vive no Brasil. E perceber que, mesmo com a falta de convívio permanente ou com pouco contacto, nos receberam como se sempre estivéssemos estado juntos.

Samsonite – Se pudesse entrar neste momento num avião, que destino escolheria?

A.G. –  Muito provavelmente Bali.

Samsonite – E levaria a Barbie? [risos] Sabemos que tem uma melhor amiga inseparável. Costuma levá-la nas viagens?

A.G. – Por muito ridícula que seja a resposta sim. Levo-a sempre comigo, mas não como um brinquedo, claro. Acho piada à ideia de a fotografar noutros lugares (um bocadinho como o anão do filme “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”). E geralmente compro sempre uma Barbie nova.

Samsonite – E partilham a mesma mala ou a Barbie tem outra mala só para ela?

A. G. – Partilhamos a mesma mala! E ela é sempre muito contida, não queremos pagar excesso de bagagem! [Risos]

Samsonite – E que coisas leva a Barbie?…

A. G. – Não leva sempre, confesso, por vezes vai mesmo só com a roupita do corpo. A única vez que ela levou peças de roupa foi quando umas meninas de um atelier de costura me enviaram uma série de criações que tinham feito propositadamente. Achei que seria engraçado levá-las, porque a oferta coincidiu com a data de uma viagem para Paris.

Samsonite – Há alguma história caricata que tenha passado com uma mala de viagem?

A. G. – Há uma história caricata, mas que não se passou exatamente com a minha mala, mas com a da pessoa com quem estava a viajar. Recolhemos a mala no tapete do aeroporto e quando a fomos abrir percebemos que nada do que lá estava dentro era nosso. Conclusão: existiam duas malas iguais a circular no tapete e houve um simpático senhor que quando chegou a casa só tinha bikinis e coisas de menina. A sorte é que conseguimos entrar em contacto com ele e tudo se resolveu!

Samsonite – Esta fotografia, onde foi tirada?

A. G. – Na Jamaica, numa viagem que fizemos (eu e a Barbie, claro), no ano passado!

Samsonite – E se pudesse espreitar uma mala de viagem…

A. G. – Nunca pensei nisso… Talvez a de um artista que andasse numa longa tour. Das duas uma, ou têm malas brilhantemente organizadas, ou vão comprando roupa ao longo das viagens. Ok. Acho que voto na segunda hipótese.

Obrigada Ana! E já agora, obrigada também à Barbie!

A Mala de… Mónica Lice!

Mónica Lice, Açoriana com muito orgulho, viveu cinco anos na Guiné-Bissau. Foi por lá que se aventurou nas andanças dos blogs, na altura uma forma de ocupar o tempo e de estar mais em contacto com Portugal. O que ela não podia adivinhar é que dali a uns anos o seu blog seria um dos mais lidos no nosso país. Hoje em dia dedica-se integralmente ao Mini-Saia, como blogger profissional, à consultadoria de imagem e até já lançou um livro com algumas das suas principais dicas de beleza. Sempre viajou muito, mas atualmente ainda mais, a convite de várias marcas internacionais daí ter que fazer e desfazer malas frequentemente. Vamos espreitar a mala de Mónica Lice?

Samsonite – Quais são os objetos que nunca podem ficar esquecidos em casa?

Mónica Lice – O computador (o trabalho acompanha-me sempre), a máquina fotográfica, os carregadores, os cosméticos e os acessórios de beleza básicos, sapatos confortáveis e roupa interior.

Samsonite – Na hora de fazer a mala, consegue dar uso às suas próprias dicas, ou precisa sempre de alguns truques para conseguir fechar a mala?

M.L. – Tenho a sorte de viajar desde a infância e saí de casa aos 18 anos. Por isso, e desde então, aprendi todas as dicas e mais algumas de fazer a mala e de dobrar especificamente a roupa, de modo a ocupar menos espaço. Logo, consigo fechar tranquilamente a mala, sem esforços.

Samsonite – Sabemos que esteve recentemente em Tóquio. O choque cultural é grande…

M.L. – Adorei a viagem! Tóquio é uma das cidades mais fascinantes onde estive – pelo choque cultural, pelos avanços tecnológicos, pela mentalidade das pessoas. O melhor da viagem foi precisamente o contacto com esta cultura, conhecer a cidade acompanhada de um japonês, que nos mostrou o outro lado da cidade e nos explicou, por dentro, tradições e vivências. Não tenho nada de negativo a apontar. Claro que a viagem é muito longa, a diferença horária e as altas temperaturas de Tóquio em agosto são complicadas de gerir no início, mas faz tudo parte da experiência que, no final, valeu mesmo muito a pena!

Samsonite – E já se perdeu em algum dos países que visitou, em Toquio por exemplo – que é tão grande -, ou tem uma orientação de fazer inveja?

M.L. – Tenho uma boa orientação, mas já me perdi, sim! Curiosamente, em Tóquio, a única vez que me perdi foi dentro do metro, ao tentar descobrir uma saída específica. Estava numa estação de metro com cerca de 40 saídas diferentes e procurava sair numa direção concreta. Foram necessários cerca de 20 minutos para me situar!

Samsonite – De todas as viagens que já fez, quais as melhores recordações?

M.L. – Tenho a sorte de já ter feito viagens marcantes, em vários pontos do globo. Viajei por terra, de Portugal até à Guiné-Bissau e adorei! Fui com um casal de amigos e, no meio de muitas aventuras e peripécias, com direito a uma passagem pelo deserto, lá chegamos, seis dias depois. Na Guiné-Bissau, adorava ir até aos Bijagós – trata-se de um grande arquipélago, cheio de ilhas, algumas das quais quase desertas, com praias virgens, desertas e lindas. Em algumas das viagens feitas para lá, de barco, desde Bissau, sofri dois naufrágios, um dos quais noturno e algo complicado… Com 16 anos viajei sozinha para os EUA e estive lá cerca de 2 meses, em casa de familiares e de amigos. Foi outra viagem marcante. Israel, Brasil, Grécia, são outras viagens que me trazem ótimas recordações…

Samsonite: E se tivesse de escolher uma viagem de sonho, qual seria?

M.L. – Gostava de conhecer melhor a América do Sul, de ir à Austrália e à Nova Zelândia, de conhecer Moçambique…

Samsonite: Agora sobre malas, há alguma história relacionada com a sua mala de viagem de que nunca se irá esquecer?

M.L. – Quando fui pela primeira vez à Guiné-Bissau não sabia muito bem como seria – se iria ficar lá muitos meses, anos, ou não. Por isso, levava “uma vida” comigo e, ao entrar no autocarro, para ir até ao avião, pediram que deixasse o trolley e levasse apenas a mochila, por questões de espaço. Ao chegar a Bissau, no meio do calor e da confusão que é o aeroporto (com centenas de pessoas, que não viajaram, junto às malas), esperei e esperei pelo trolley, que foi a última bagagem a chegar. Só quando cheguei a casa é que reparei que me tinham aberto a mala e retirado todos os CD´s que levava (provavelmente o que de mais precioso levava comigo, naquela altura). Anos mais tarde, numa rádio, em Bissau, encontrei a bolsa dos CD´s, mas não estava la dentro nenhum dos meus – de jazz e de bossa nova, na sua maioria.

Samsonite: Uma coincidência incrível! No entanto, a imagem que nos envia não é da Guiné-Bissau, que tanto a marcou….

M.L. – Não, foi tirada em 2006, em Nova Iorque, junto de um dos principais Clubes de Jazz do mundo. Foi a primeira vez que fui a Nova Iorque e a terceira aos EUA, mas foi, sem dúvida, marcante, pela companhia e pela descoberta!

Samsonite: E se pudesse espreitar uma mala de viagem, de quem seria?

M.L. – Gostava de espreitar as malas de celebridades do mundo da moda, como a Anna Dello Russo, por exemplo. Gostava de perceber com quantas malas viaja, para conseguir transportar todas as roupas e acessórios que usa, nos mais variados eventos.

A Melhor Amiga da Barbie

Ana Gomes, a autora do blog A Melhor Amiga Da Barbie, afinal parece ter outra melhor amiga, sempre ao seu lado. Uma fiel companheira que resiste a todas as adversidades. Veja o video e saiba do que estamos a falar.

Já tem um “buraco no estômago” e a viagem ainda vai a meio?

Se sempre que vai viajar fica com um buraco no estômago, não de medo, mas de fome, este post é para si.

Quer vá de comboio, de carro, de avião, de barco ou até mesmo de autocarro, o problema é que invariavelmente se esquece de levar uma pequena merenda e só repara no lapso tarde de mais.

Pois bem, um pequeno lanche é essencial para qualquer viagem, seja média ou de longa duração. Caso contrário, ou gasta uma pequena fortuna – e muitas vezes alimenta-se mal -, ou passa o tempo todo com a barriga a dar horas e a viagem parece-lhe interminável.

As escolhas dependem do seu gosto pessoal, claro está, no entanto há clássicos que são incontornáveis, mas que ainda assim poderá melhorar seguindo as nossas sugestões:

  • Sandwichs

São sempre uma boa aposta. Tenha em conta que provavelmente estará calor e não conseguirá conservá-las num local fresco, por isso evite as pastas com maionese e os ovos. Opte por frango, atum ao natural, queijo, fiambre, salmão fumado,… Acrescente uma folha de rúcula (ou de alface) e umas rodelas de tomate para um toque mais saudável. Depois pode polvilha-las, por exemplo, com orégãos e temperar com um fio de azeite ou até barrar com paté de azeitona. A sua Sandwich, aparentemente tão banal, vai-se assemelhar a um petisco gourmet. Não se esqueça de a embrulhar primeiro num guardanapo, de seguida em papel de alumínio e por último pode coloca-la num saco próprio para sandes. Também poderá substituir as Sandwichs por fatias de pizza: faça uma pizza no dia anterior, fatie-a e embrulhe-a sugerido a cima.

  • Bolachas, Batatas Fritas e outros Snaks

As bolachas, por norma, são do agrado de todos (pequenos e graúdos) e são fáceis de transportar; As batatas fritas de pacote também são ideais para viagens e podem ser o acompanhamento que faltava, para transformar as sandwichs numa refeição mais consistente. Também poderá optar por levar pequenas Barras Energéticas ou Bolachas de Arroz, muito nutritivas e saborosas. Outra boa sugestão são as nozes, as avelãs,… alimentam, são saborosas e “enganam” a fome. Leve tudo – menos as batatas fritas e os snacks – em caixas plásticas pois assim evita as migalhas por toda a parte e os pacotes mal abertos.

  • Fruta

Morangos, maças, bananas, peras, cerejas e uvas são excelentes para transportar. Se quiser ser arrojado, pode optar por um kiwi. Parta-o a meio e leve uma pequena colher para o comer. Não se esqueça de levar a fruta já lavada de casa e, de preferência, os morangos, as cerejas e as uvas, numa caixa plástica hermética.

  • Bebidas

Levar água ou sumos é essencial. Se vai viajar por terra ou mar, opte por uma garrafa térmica para manter os líquidos sempre frescos, se vai viajar de avião não se esqueça que terá que as bebidas terão que ser compradas no aeroporto.

Tem outras sugestões? Partilhe-as aqui ou envie um email para samsonite@companhiasolucoes.com e conte-nos tudo!

O que não pode mesmo ficar de fora!

Chegou finalmente para muitos o momento das ansiadas férias de Verão. Porém, há ainda um pormenor que enlouquece muitas pessoas, principalmente as mulheres: O que levar na mala?!… Ou por outra, como estar sempre gira e maravilhosa nas férias, e usar todas aquelas peças novas, sem levar 4 malas de viagem, que nem sequer vai conseguir carregar sozinha, cheias até cima?…

Antes de mudar de ares – seja para uma cidade cosmopolita, para uma praia no sul de Portugal ou para um resort de luxo noutro continente – faça uma lista com tudo aquilo que vai precisar (ou que gostaria de levar), tendo em conta os dias de férias e o tipo de destino.

Se vai para a praia siga as nossas dicas. Há alguns artigos que não podem mesmo ficar de fora da sua mala!

–  Leve 2 ou 3 biquínis cujas partes de cima e de baixo se possam conjugar entre si (pode por exemplo optar por partes de baixo lisas e conjugá-las com partes de cima com padrões ou flores);

– Os calções estão super em voga, dão tanto para a praia como para uma saída à noite e ocupam pouco espaço. Uns de ganga e outros de tecido são fundamentais;

– Os vestidos de praia são sempre uma boa escolha e também ocupam pouco espaço;

– Em vez de toalha de praia, que ocupa imenso espaço, leve 1 pareo que faça o mesmo efeito. No entanto, caso não vá para um hotel ou resort, é provável que o hotel a forneça, informe-se na recepção;

– Chapéu e óculos de sol, para além de protegerem a cabeça e os olhos dos malefícios do sol, são acessórios que dão um toque sofisticado a qualquer look;

– 1 protetor solar mais alto para os primeiros dias e outro mais baixo para quando estiver mais bronzeada são fundamentais. Um bom protetor capilar, outro labial e um after-sun também não podem ficar em casa.

– 2 ou 3 tops mais elegantes, e um vestido para utilizar à noite (branco, por exemplo, já que no Verão há sempre imensas festas cujo dress code é desta cor) são uma boa aposta;

– 1 casaco de malha, de preferência de cor neutra e versátil, é fundamental, para que não seja apanhada desprevenida num dia mais fresco;

– Uma camisa de noite ou t-shirt e calções para dormir também é muitas vezes esquecido, mas é importante, para que se sinta confortável;

– Alguns acessórios, como colares, brincos, pulseiras, relógio,… também dão aquele toque especial a qualquer look;

– 1 chinelos de praia (que poderá usar também como chinelos de quarto), 1 sandálias altas, outras rasas e 1 ténis (nunca se sabe se não lhe irá apetecer por exemplo jogar ténis ou fazer uma corrida matinal) são imprescindíveis;

– 1 saco de praia (deixe em casa o cesto de praia, pois ocupa imenso espaço e opte por um saco maleável, que possa dobrar) e uma mala mais pequena e bonita – uma clutch ou pochette, por exemplo – devem ir consigo;

– 1 bolsa, de preferência em plástico, para colocar todos os objectos que vai levar para a praia (solares, escova de cabelo, elástico,…);

– Uma garrafa de água térmica também é uma boa aposta – assim não terá que gastar dinheiro desnecessariamente em água nos bares de praia e terá água sempre fresquinha;

– Artigos de higiene pessoal, claro está, tem mesmo de levar. Mas  escolher amostras ou mini frascos ajuda muito, pois não terá que transportar quantidades de que não necessita e a diferença de peso é evidente;

– Se não passa sem secador de cabelo, leve-o. O dos hotéis nunca são suficientemente potentes. Ou então, se optar por o deixar de fora, mentalize-se que o “cabelo-com-ar-de-praia” está na moda – e está mesmo!;

– Leve roupa interior para cada um dos dias, claro, pois à noite vai deixar o biquíni de lado;

– 1 Mp3 com as suas músicas favoritas e um livro interessante são sempre uma excelente companhia;

– A máquina fotográfica, para registar o seu bronze de verão, não pode ficar em casa, assim como o carregador de bateria ou pilhas;

– O seu portátil ou tablet com algumas séries e filmes são sempre uma boa companhia;

IMPORTANTE: Não pode mesmo deixar em casa os seus documentos pessoais, o nome, contacto e morada do hotel e o bilhete de avião/comboio/…, se for caso disso.

Em resumo:

  1. Faça uma lista antes de fazer a mala;
  2. Tenha em conta o número de dias que vai viajar e o tipo de destino;
  3. Opte por frascos pequenos e por roupas leves;
  4. Não leve dezenas de pares de sapatos, nem centenas carteiras – não os vai usar;
  5. Opte por peças que possa conjugar entre si para conseguir fazer o maior número possível de looks diferentes, com o mínimo de peças possível;
  6. Arrume tudo em sacos próprios e pequenas bolsas (os sapatos, os biquínis, os acessórios, os objectos de higiene,…);
  7. Na dúvida entre levar e não levar, pense se realmente precisa da peça e se não é demasiado pesada ou volumosa;
  8. Leve peças versáteis (um pareo pode ser usado como toalha de praia, uns chinelos de praia como chinelos de banho/quarto,…);
  9. Deixe algum espaço vazio na mala para as compras que vai eventualmente fazer;
  10. Se vai para o Brasil ou para algum outro destino no Oriente, lembre-se que poderá querer comprar por lá biquínis, roupa, chinelos de praia acessórios, por isso leve menos peças, já a contar com isso.

Vai viajar de avião com crianças?

Se vai viajar com crianças, este post é para si! Se viajar de avião já é, em si, uma verdadeira aventura, fazê-lo com uma ou mais crianças é-o ainda mais. Seja a primeira ou a décima vez que faz uma viagem de avião com a pequenada, nunca é demais lembrar algumas dicas básicas para que tudo corra bem desde o check-in até à chegada ao vosso destino.

Check-in

Fazer o check-in requer que chegue ao aeroporto com uma antecedência mínima de duas horas (dependendo do destino), mas se vai viajar com crianças, tudo pode atrasar-se – andam mais devagar, precisam de ir à casa-de-banho, de beber água… Para evitar andar a correr pelo aeroporto com sacos às costas e uma criança ao colo, em riscos de perder o avião, adicione pelo menos mais uma hora a esse tempo. O essencial é iniciar a viagem com tempo e muita calma… Vai precisá-la para o que vier a seguir.

Antes do embarque

Se chegou ao aeroporto com muita antecedência e fez o check-in cedo, terá provavelmente algum tempo livre para queimar antes da hora de embarque. Esta é uma boa altura para explicar às crianças o que vai acontecer a partir daqui e como vai ser o voo; para irem à casa de banho, comer ou beber qualquer coisa e até tomar algum medicamento para o enjoo, no caso de alguém não tolerar bem as viagens. Deixe a criança brincar e correr um pouco na zona de espera – é uma maneira de ela se cansar e provavelmente fazer a viagem mais calma e/ou até dormir.

Levantar voo e aterrar

A descolagem e a aterragem são dos momentos mais críticos de uma viagem de avião porque a pressão que exerce sobre os ouvidos pode ser dolorosa ou desconfortável. Tenha preparado para estes dois momentos, algo que a criança possa mastigar ou beber; assim como algo que a costuma aliviar em momentos de choro, como uma chupeta, manta ou peluche.

Divertimento no ar

Esta é a parte mais importante de fazer uma viajem de avião com crianças porque, quer o voo seja de curta ou longa duração, se não tiver forma como entreter a pequenada, a viagem vai parecer interminável e a sua paciência vai esgotar-se. Leve uma mochila com brinquedos diferentes, um DVD portátil e alguns filmes preferidos, livros, desenhos para colorir e atividades com as quais pode entreter as crianças. No entanto, evite brinquedos com muitas peças ou que requerem muito espaço e tente não desvendar todo o conteúdo da mochila de uma só vez – terá de manter a criança divertida durante algum tempo, por isso, retire apenas um brinquedo ou livro de cada vez ou então sempre que a criança mostrar sinais de aborrecimento. Mesmo assim, as crianças não conseguem ficar quietas no mesmo sítio durante muito tempo, por isso, para evitar os “bichos-carpinteiros”, levante-se e dê uma volta pelo avião com a criança pelo menos uma vez por hora.

Alimentação em altitude

Em viagens de avião, a hora da refeição funciona, simultaneamente, como uma forma de passar o tempo. Porém, a comida servida nos aviões nem sempre agrada a todos e, se o seu filho não for um “bom garfo”, é importante que leve consigo alguns snacks, fruta ou outros alimentos que a criança aprecie. Se tiver de aquecer algum alimento, peça à hospedeira com alguma antecedência, uma vez que podem não poder atendê-lo de imediato. Se a criança comer a refeição servida pela linha aérea, certifique-se que não esteja demasiada quente e se precisa de cortar os alimentos em porções mais pequenas. Por causa do ar seco que circula no avião, é fundamental manter a criança hidratada, de preferência com o consumo de água.

Hora de dormir

Conseguir que uma criança durma durante uma viagem de avião é a melhor forma de viajar com a pequenada e muitos pais começam a escolher as horas em que pretendem viajar para que estejam de acordo com a hora da sesta dos filhos ou então escolhem um voo que seja durante a noite. Ambas as opções são práticas, principalmente se tiver uma criança pequena ou mais do que uma.

Lidar com birras

As crianças e as birras estão de mãos dadas em qualquer situação, incluindo uma vagem de avião – o que pode tornar-se constrangedor porque não se podem retirar da situação e porque não estão sozinhos. Embora seja chato incomodar os restantes passageiros com uma criança aos berros, tente manter a calma e não se junte à festa. Leve a criança à casa-de-banho para refrescar o rosto, ande um pouco a pé com ela, leia um livro, ofereça-lhe um snack, tente adormecê-la, dê-lhe um novo brinquedo, ou conte-lhe sobre o vosso destino, quem está à vossa espera e o que vão fazer de divertido quando lá chegarem. Tenha paciência e experimente de tudo um pouco, a criança acabará por se acalmar.

Descubra ainda aqui algumas respostas para as perguntas mais comuns, relativamente a burocracia e logística:

P. Tenho uma criança com 2 anos, pode ficar a dormir connosco ou deverei levar uma cama?

R. A maioria das unidades hoteleiras, fornece berços ou camas extras, dependendo da idade. Poderá ser cobrado um suplemento. Normalmente ate aos 2 anos são gratuitos. Informe-se no hotel sobre as condições.

P. Vou viajar com um bebé de um ano. Ele pode ter lugar no avião?

R. Pode. Os bebes ate aos 23 meses podem viajar ao colo da mãe não ocupando lugar, no entanto podem ter lugar no avião desde que paguem o valor referente ao bilhete de criança.

P. Vou viajar com menores. Que documentos são necessários?

R. Todos os menores, que viajem em Portugal, por avião, deverão ser portadores de Bilhete de Identidade válido. O Bilhete de Avião deverá ter nome igual ao do B.I. para completa identificação do menor pelas autoridades aero-portuárias. Por outro lado, todos os menores que viajem para o estrangeiro, independentemente de quem os acompanhe, deverão estar munidos de Bilhete de Identidade, quando se desloquem no espaço da União Europeia. Fora desta, para qualquer outro país, deverão estar munidos de Bilhete de Identidade e do Passaporte.

P. O meu filho for viajar sem o acompanhamento dos pais. O que é necessário?

R. Com a entrada em vigor do Dec. Lei 83/2000, de 11 de Maio, em 01 de Janeiro de 2001, passou a haver um novo regime de entrada e saída de menores do Território Nacional. Assim, os menores, filhos de pais casados, deverão ser possuidores de autorização de saída, emitida e assinada pelos pais – com assinaturas reconhecidas, no caso de saírem sós ou acompanhados de terceiros.

P. E se o meu filho for viajar só com um dos pais?

R. No caso em que o menor sai apenas acompanhado por um dos progenitores é sempre necessária a apresentação de autorização do outro, reconhecida por notário ou junto de um advogado.

Agora que esclareceu algumas das suas dúvidas, lembre-se também destas dicas:

– Planeie apenas uma actividade grande por dia, pois as crianças cansam-se muito rapidamente. Se for visitar muitos museus, tenha a certeza que vai ouvir muitos “berreiros”, por isso adeqúe as atividades aos interesses dos mais pequenos.

– Se for para a praia, alerte-os para os perigos da água, leve uma t-shirt, chapéu, protetor solar, água e comida e claro, não tire os olhos dos mais pequenos.

– Inclua nas suas férias diversões como uma visita a algum parque aquático, uma ida a um Jardim Zoológico ou outra.

– Cumpra as horas de sono da criança e a alimentação o mais próxima possível do habitual.

– Leve a mantinha preferida dele ou a almofada e os seus brinquedos favoritos, para que se sinta em casa, no quarto do Hotel. Se possível, leve também uma luz de presença.

Não se esqueça do mais importante: as férias são sempre motivo de alegria, quer para grandes, quer pequenos, ainda que com crianças possam ser dias menos tranquilos. Prepare a viagem com alguma antecedência e lembre-se que viajar é sinónimo de quebrar a rotina e uma excelente oportunidade para passar mais tempo em família. Desfrute dela e… Boas férias!

Fontes de informação:

http://www.pequenada.com

http://www.abreu.pt